autores: Luís Peça, Fernando Alves, Susana Ferreira

Sábado, 4 de Outubro de 2008
Corrector ortográfico e sintáctico

Apresento-vos uma ferramenta que acho muito útil.

Eu utilizo. Este texto passou por lá para garantir que não tinha erros.

 

FLiP On-line

 

"Para facilitar o acesso à tecnologia FLiP, a Priberam disponibiliza, em serviço gratuito on-line, o corrector ortográfico e o corrector sintáctico (apenas com sugestões, sem explicação gramatical dos erros), tanto para português europeu quanto para português do Brasil. A partir da janela disponível no ecrã, o utilizador pode digitar as palavras ou as frases (até ao limite de 3000 caracteres) sobre as quais tem dúvidas, seleccionar a variedade de português que pretende e visualizar as correcções propostas."

 

(Transcrito da página online do FLIP)

 

Vejam aqui.

 



publicado por Luís Peça às 11:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 8 de Setembro de 2008
Marçal Grilo no V Fórum GPS

 

 

A comunicação apresentada pelo ex-ministro da Educação, Marçal Grilo, no V Fórum GPS, nas Caldas da Rainha, pareceu-me muito interessante.

Deixo aqui um resumo das ideias por ele apresentadas e das quais tirei notas. Apresento-as em forma de lista rápida.

 

Portugal é um pais de assimetrias onde onde o melhor convive lado a lado com o pior.

Cerca de 60% da população tem 6 ou menos anos de escolaridade.

Cerca de 80% dos nossos empresários tem 9 ou menos anos de escolaridade.

Apesar de tudo, nunca tivemos tantos licenciados e doutorados. Nunca tivemos uma elite como a que temos hoje.

Qual o principal problema educativo português? É impossível nomear um único factor mas a forma como a população olha para a escola é importante.

Os portugueses são pouco exigentes consigo próprios e por consequência com os outros.

Características (negativas) dos portugueses:

- têm pena de si próprios;

- gostam de pertencer ao problema e não à solução.

- são invejosos do sucesso do outro.

Uma parte da população acha que o sucesso tem mais a ver com sorte do que com trabalho.

No entanto cada vez mais portugueses já perceberam que para ter sucesso é preciso responsabilidade, iniciativa, arriscar e muito trabalho.

Responsáveis pela educação das crianças e jovens:

1- Pais e família: não dão aulas mas são a referência dos jovens e estabelecem valores.

2- Escola.

Um aluno quando chega ao 5º ano já tem 4000 horas de televisão.

Estamos a criar uma sociedade louca, onde as pessoas são vistas como consumidores e clientes e não como verdadeiras pessoas.  É uma sociedade perigosa, sem valores.

 Por vezes há uma certa desistência da educação dos filhos por parte das famílias. Sobra a escola que tem então como função transmitir:

- a formação base (Língua Materna, História, Ciências, Tecnologias).

- atitudes e comportamentos como autonomia, liderança, enpreendedorismo, etc. Estes não se ensinam mas é na escola que se desenvolvem.

- valores: respeito pelos outros, solidariedade, respeito pela verdade, tolerância.

As famílias definem a sua "escolaridade mínima recomendável". Esta já é de 12 anos apesar da escolaridade obrigatória se manter nos 9 anos.

Há muitas empresas que já não admitem ninguém com menos do 12º ano.

A Internet vem reforçar a importância da escola. O acto educativo, entre professor e aluno, é fundamental.

A escola deve essencialmente ensinar.

A 1ª prioridade é por os alunos a ler e a gostar de ler. 

Quem lê aprende sempre, toda a vida.

Há um estudo da OCDE que demonstra que os alunos que lêem ultrapassam o handicap sócio-cultural.

Vivemos com o horror da cultura televisiva. As pessoas falam de tudo (o que dá na TV) sem saberem nada.

Como contrariar a TV?

Com a escola. Esta tem de tornar atractivo aquilo que não o é quando comparado com a televisão.Por isso o desafio dos professores é tremendo.

Condições para uma escola ser boa:

- ter projecto, saber o que quer fazer;

- ter uma liderança forte;

- ter um corpo docente estável.

Gestão das escolas: deve ser feita sem recorrer ao Ministério da Educação. Deve ser na escola que as coisas da escola se decidem.

Escola Pública/Escola Privada: o que conta não é a génese da instituição mas sim como serve a sociedade.

A funcionalização dos professores é perigosa.

Os professores são uma referência: profissional, cultural e moral. São educadores.

A afirmação da personalidade é fundamental num professor. É essencial que um professor assuma o que pensa sobre as questões perante os seus alunos.

Falta em Portugal a voz da escolas. Temos a voz do Ministério, a voz dos sindicatos mas falta um elemento: a voz das escolas.

Alguns mitos da educação em Portugal: 

- Em Portugal ninguém reprova.

É falso. Portugal tem das maiores taxas de retenção na Europa;

- Em Portugal ninguém sabe nada.

Os nossos alunos de 15 anos que frequentam o 8º e 9º ano tem resultados no Estudo Pisa acima da média da OCDE. O que traz a média de Portugal para valores mais baixos são os alunos de 15 anos que frequentam o 5º, 6º e 7º ano (que lá não estariam caso não houvesse tantas retenções). 

Ao aluno devem ser impostos metas e resultados pela escola.

Os automatismos, nas aprendizagens, não são um crime.

Retenção/Abandono Escolar: continuamos a conhecer mal as causas. O abandono escolar é muitas vezes uma decisão consciente das familias. 



publicado por Luís Peça às 20:27
link do post | comentar | favorito

tags

todas as tags

posts recentes

Corrector ortográfico e s...

Marçal Grilo no V Fórum G...

arquivos

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

links
pesquisar
 
subscrever feeds
Verandah
Verandah